Escravo? Nem pensar!

Instituto C&A em 31 de janeiro de 2018

Em dezembro do ano passado iniciamos uma parceria com o programa Escravo, nem pensar! (ENP!), criado pela ONG Repórter Brasil, com o objetivo de engajar servidores públicos das áreas de educação e de assistência social do município de São Paulo na prevenção do trabalho infantil e escravo.

Por meio de formações, o programa sensibiliza e capacita esses profissionais sobre temas como trabalho escravo, trabalho infantil e migração, com o intuito de ampliar e aprimorar o atendimento a imigrantes e seus familiares nos serviços públicos da cidade, como escolas e unidades de atendimento da assistência social.

“A iniciativa surgiu porque há uma quantidade grande de imigrantes no município – muitos dos quais acompanhados por suas famílias – que têm procurado escolas, assistência social, serviços de saúde e empregos. Grande parte deles se encontra em situação de vulnerabilidade socioeconômica e, portanto, exposta a situações de exploração, como o trabalho escravo”, explica Natália Suzuki, coordenadora do ENP!


A coordenadora afirma que em 2013 e 2014 houve aumento do número dessas ocorrências em São Paulo, o que fez com que o estado ocupasse a posição de campeão e vice-campeão, respectivamente, no ranking nacional de estados flagrados com trabalho escravo.

Natália avalia que a parceria com o Instituto C&A é muito importante para ampliar a atuação do ENP!, pois permitirá a inclusão de mais escolas no programa e o aumento da capacitação dos assistentes sociais. “Vamos reforçar o trabalho que vínhamos realizando, fortalecendo a rede de proteção ao imigrante com o intuito de erradicar essas práticas na cidade de São Paulo.”

Com a parceria do Instituto C&A, o ENP! pretende alcançar mais de cinco mil pessoas no município com as novas ações de prevenção ao trabalho escravo e infantil, que serão realizadas até 2019. “Queremos envolver alunos e outras pessoas de suas comunidades em ações de conscientização sobre os direitos dos imigrantes e situações de violação, como o trabalho escravo e o trabalho infantil”, afirma Natália.

Para o desenvolvimento do projeto o programa conta com o apoio de instituições do poder público, como a Defensoria Pública da União, o Ministério Público do Trabalho, a Superintendência Regional do Trabalho e as secretarias de Educação e de Assistência Social do município de São Paulo. O ENP! também tem trabalhado com outras organizações da sociedade civil, como o Centro de Apoio e Pastoral do Migrante (Cami) e a Missão Paz.

 

“O Instituto C&A acredita que só conseguiremos erradicar o trabalho escravo e infantil unindo esforços e engajando diferentes organizações. O ENP! tem exatamente esse foco ao fortalecer a atuação de profissionais da educação e da assistência para melhor atendimento de populações migrantes em situação de vulnerabilidade na cidade de São Paulo”, avalia Luciana Almeida, gerente de Direitos Humanos e Transformação da Cadeia de Fornecimento.

Conheça o nosso programa de combate ao trabalho forçado e ao trabalho infantil. Clique aqui e saiba mais sobre as nossas iniciativas

Saiba mais sobre o programa aqui

Fotos: Acervo Repórter Brasil

“O Instituto C&A acredita que só conseguiremos erradicar o trabalho escravo e infantil unindo esforços e engajando diferentes organizações.”

Luciana Almeida, Gerente de Direitos Humanos e Transformação da Cadeia de Fornecimento.

O programa realiza e desenvolve:

  • Metodologias de formação para temáticas de direitos humanos
  • Formações de servidores públicos das áreas de Educação, Assistência Social e Saúde.
  • Materiais didáticos (publicações, planos de aula, jogos etc);
  • Assessoria para a institucionalização do tema do trabalho escravo e assuntos correlatos em planos de educação.

Resultados em 2016 no município de São Paulo

  • Foram desenvolvidas atividades em 43 escolas da capital paulista.
  • 330 professores, mais de 5 mil alunos da rede pública e cerca de mil pessoas da comunidade extraescolar evolvidas, impactando quase 6.800 pessoas.
  • O programa também tem atuado nos estados da Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Pará e Tocantins.