Indústria da moda unida para a construção de uma economia circular

by Instituto C&A on Jul 13, 2017

A Ellen MacArthur Foundation lançou uma nova iniciativa que reúne as principais partes interessadas da indústria da moda para construir uma economia circular para produtos têxteis, a começar pelo vestuário. O projeto Fibras Circulares é apoiado pela C&A Foundation, por outros parceiros, como a H&M e a NIKE, e por um consórcio de organizações que incluem Danish Fashion Institute, Moda para o Bem, Cradle to Cradle e MISTRA Future Fashion. (Veja a entrevista que realizamos com a representante da Ellen MacArthur no Brasil sobre economia circular).

Os participantes da iniciativa estão trabalhando juntos para definir uma visão para um novo sistema global de fibras, que aborde as grandes desvantagens do modelo linear – “pegue, faça, use, descarte" – atualmente vigente no setor. Esse sistema será baseado em princípios de uma economia circular, gerando crescimento que beneficia cidadãos e empresas, ao mesmo tempo em que elimina gradualmente os impactos negativos, como resíduos e poluição – uma economia adequada ao Século XXI.

Primeiros passos

Atualmente, estão sendo mapeados os fluxos dos produtos têxteis e dos resíduos gerados no sistema atual. A análise, realizada em parceria com a McKinsey & Co., explora como seria uma economia nova e circular para têxteis – restaurativa e regenerativa – e os passos necessários para a sua construção. O primeiro relatório desse estudo deverá ser publicado no final deste ano.

Os produtos têxteis são o segundo fluxo global de materiais em que a Ellen MacArthur Foundation está atuando. Em 2016, a Fundação lançou a iniciativa Nova Economia do Plástico, que reúne empresas líderes ao longo da cadeia de valor, autoridades municipais, organizações intergovernamentais, cientistas, designers e outros inovadores para construir um sistema de plásticos que funcione. O sucesso dessa primeira ação resultou em dois importantes relatórios apresentados no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

“O desperdício é inerente à forma como produzimos, usamos e reprocessamos vestuário atualmente, e sua crescente demanda aumenta os impactos negativos. A Iniciativa Fibras Circulares visa catalisar mudanças em toda a indústria ao criar uma visão ambiciosa baseada em fatos para um novo sistema global de têxteis estruturado em princípios de uma economia circular que gera benefícios econômicos, ambientais e sociais e que pode ser bem sucedida a longo prazo.”

Ellen MacArthur, fundadora da Ellen MacArthur Foundation

O Setor têxtil

As fibras são um elemento importante da economia global atual: a produção de vestuário duplicou nos últimos 15 anos, com vendas de calçados e roupas atingindo US$ 1,67 trilhões em 2016. Ao mesmo tempo, segundo uma pesquisa da McKinsey, os consumidores conservam suas roupas pela metade do tempo que costumavam manter há 15 anos. Após o uso, cerca de 15% das roupas descartadas são coletadas nos Estados Unidos, enquanto o restante, ou seja, 85%, acaba em aterros sanitários.

Essa economia notadamente linear, baseada em padrões extrativos e consumistas, coloca uma grande pressão na terra, na energia e em outros recursos. A produção e o uso de vestuário representam aproximadamente 3% das emissões globais de CO2[1], e a produção de algodão é, atualmente, responsável por um quarto do uso de pesticidas em todo o mundo[2].

[1] Informação extraída do relatório Energy-related CO2 emissions, The Carbon Trust, International Carbon Flows – Clothing (2011)

[2] Informação extraída do relatório Yale Environment 360 (2016)

“Na C&A Foundation, nós apoiamos a produção, o consumo e o reúso de fibras sustentáveis. A iniciativa Fibras Circulares é importante porque irá estabelecer uma agenda compartilhada e uma intensa colaboração, necessárias para mudar a indústria da moda para modelos de negócios regenerativos e sustentáveis. ”

Leslie Johnston, diretora executiva da C&A Foundation