Como trabalhadoras empoderadas mudam a vida nas fábricas?

Ángeles sempre morou na casa de seus pais em Allende, um município próximo a Piedras Negras, Coahuila, no norte do México. O local foi, durante muitos anos, um dos polos industriais mais importantes do país. Seu sonho sempre foi ter sua própria casa, onde pudesse cozinhar para suas duas filhas, vê‑las crescer e se desenvolver sob suas próprias regras. Mas via muitas barreiras para conseguir realizar seu sonho, como conseguir economizar o suficiente para solicitar um crédito hipotecário, que com sua pequena renda parecia impossível. O principal obstáculo, no entanto, estava diante dos seus olhos sem que ela sequer tivesse se dado conta. Ángeles necessitava reconquistar sua autoconfiança, recuperar sua voz e falar bem alto para que seus desejos se tornassem realidade. Ángeles não sabia, mas ela era uma líder no seu grupo de colegas de trabalho.

No final de 2016, Ángeles visitou as instalações do CFO - Comitê Fronteiriço Obreiro , uma organização social de sua comunidade, e lá descobriu o Gema - Empoderamento da Mulher para a Ação, um curso de empoderamento com perspectiva de gênero. Decidiu se inscrever e, pouco a pouco, foi aprendendo com Julia Quiñonez, coordenadora do CFO, e com suas colegas que todos possuem um potencial de liderança, que pode mudar seu ambiente e inspirar outros a trabalharem em equipe para melhorar suas situações, independentemente de seu gênero, cargo ou nível sociocultural. Também aprendeu a identificar os riscos de segurança e saúde no trabalho, quais eram seus direitos como trabalhadora e como podia negociar com seus supervisores para que as prioridades em termos de bem‑estar no trabalho dela e de suas colegas fossem atendidas.

Algumas vezes, suas duas filhas vieram com ela às aulas e, assim, também aprenderam mais sobre sua própria capacidade de lutar por aquilo que desejam. “Por exemplo, nos ensinaram que não importa se somos homens ou mulheres, nós merecemos ser tratadas com respeito e ter as mesmas oportunidades, porque ambos temos o mesmo valor”, lembra Ángeles enquanto folheia seu classificador com tudo o que aprendeu no curso.

Sem pensar muito, Ángeles solicitou um crédito hipotecário do INFOVANIT (sistema mexicano de crédito habitacional) e ficou extremamente surpresa quando o conseguiu. O inesperado sucesso  a fez  acreditar que poderia cumprir também o sonho de suas filhas de festejar uma festa de quinze anos. Com a ajuda de sua família, amigos, vizinhos e colegas da fábrica, conseguiu fazer uma festa para cada uma, que hoje recorda em fotografias coladas na geladeira e que sua filha menor nos mostrou com muita emoção.

Sua autoconfiança se fortalecia e logo chegou o momento de tentar mudar algumas coisas no seu local de trabalho. Com o apoio de suas colegas, Ángeles conseguiu negociar com os coordenadores para que o transporte que as leva à fábrica e as traz de volta a casa entrasse nas colônias próximas às casas das trabalhadoras.

“Antes, tínhamos que ir até o centro de Allende para pegar os caminhões que nos levavam à fábrica. Para muitas de nós, isso significava andar mais de 20 quarteirões e, quando trabalhávamos no turno noturno, às vezes tínhamos que voltar para casa no escuro, à 1h da manhã ou até mais tarde. Com a falta de segurança em Allende, tínhamos muito medo ao voltar para casa todos os dias”, afirma. Com tudo o que aprendeu no curso, que teve uma duração de dois anos, Ángeles conseguiu manter um diálogo respeitoso e aberto com seus chefes e conseguiu que suas colegas tivessem condições de trabalho muito mais seguras.

Ángeles sempre foi uma líder no seu grupo de trabalho, respeitada por suas colegas e por seus chefes, só precisava recuperar sua voz para provar a si mesma que era capaz de realizar as mudanças que queria no seu ambiente.

“Ela é muito querida porque se preocupa com os outros. Suas colegas ajudaram quando ela precisou, admiram muito sua força e sua inteligência e a escutam porque ela sempre tem alguma coisa boa para dizer”, explica Julia Quiñonez, coordenadora do Comitê Fronteiriço Obreiro (CFO), que conhece Ángeles há muitos anos.

“25 pessoas se inscreveram no nosso curso. Ángeles e outras 11 pessoas o concluíram. A primeira coisa que ensinamos a todas é o conceito de papéis de gênero, ou seja, com que qualidades costumam identificar um homem e uma mulher. Pouco a pouco, lhes ajudamos a entender que muitas dessas qualidades não são exclusivas de um único gênero e que, por isso, e muitas outras coisas, não são melhores nem piores que ninguém, e merecem um tratamento igualitário dentro e fora dos seus espaços de trabalho”, conclui Julia.

O curso GEMA é uma das iniciativas implantadas pelo CFO nas localidades próximas a Piedras Negras. Graças ao apoio do Instituto C&A, através do Fundo Semillas, cada vez mais pessoas como Ángeles descobrem que têm o poder de mudar sua realidade e a de suas colegas trabalhadoras.

 


“Uma das coisas que este curso me ensinou foi a confiar mais em mim e a ser mais independente”, disse Ángeles.

-

Sobre o Fundo Semillas
O Fundo Semillas é uma organização sem fins lucrativos focada em melhorar a vida das mulheres no México, visando um país onde todas elas possam tomar suas próprias decisões e ter acesso a saúde, a um trabalho decente, a justiça e a felicidade. O Instituto C&A é parceiro do Fundo Semillas no México.


Partilhar
Coahuila, México