Rede Nacional de Bibliotecas já está em ação

Partilhar

Criada no fim de 2015, por 82 bibliotecas comunitárias que recebem ou já receberam apoio do Instituto C&A, a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias começa a ganhar musculatura. O projeto cresce impulsionado pelos objetivos de influenciar políticas públicas voltadas à promoção da leitura no Brasil, promover a valorização e reconhecimento do trabalho de promoção da leitura realizado pelas bibliotecas comunitárias em seus territórios e articular estratégias de sustentabilidade deste tipo de equipamento cultural em todo o país.

A assessora Janine Durand, que integra o corpo técnico do programa Prazer em Ler do Instituto C&A, explica que a rede é resultado do amadurecimento do trabalho das bibliotecas apoiadas nos últimos dez anos. Até o início de 2017, a meta é dobrar o número de integrantes.

“Começamos em 2006 com o apoio individual a cada biblioteca ou instituição, trabalhando os eixos temáticos Espaço, Acervo, Mediação e Gestão compartilhada. Depois, em 2010, iniciamos o apoio a polos de leitura, um agrupamento dessas bibliotecas por região que permitiu a troca de experiências, o aprimoramento de práticas e o começo do trabalho de incidência em políticas públicas nos munícipios. A conquista de resultados políticos locais e a troca de experiências dentro dos polos e entre eles geraram o sentimento de pertencimento e criaram as bases de uma rede com representação nacional", assinala Janine

“A conquista de resultados políticos locais e a troca de experiências dentro dos polos e entre eles geraram o sentimento de pertencimento e criaram as bases de uma rede com representação nacional ”

Assessora do programa Prazer em Ler Janine Durand

Na fase atual, os membros da rede trabalham sua estruturação interna, com destaque para o desenvolvimento de estratégias e o lançamento, em setembro, de um manifesto. “Além de aprofundar definições de missão, objetivos, atuação política e alinhamento entre os integrantes, a rede tem como desafio construir uma estrutura organizacional horizontal e democrática”, explica Janine.


Ao mesmo tempo, no âmbito externo, a rede se dedica ao estudo dos textos e tramitações de projetos de lei que circulam no Congresso Nacional sobre promoção da leitura. O Projeto de Lei do Senado (PLS) 212/2016, que institui a Política Nacional de Leitura e Escrita, e o PLS 1321/2011, que dispõe sobre a aprovação de um Fundo Nacional Pró-leitura, são alguns exemplos. “Para incidir nas políticas públicas e qualificar seu discurso, é fundamental que a rede se empodere deste tipo de informação”, pontua a assessora.

Outra ação prevista para este ano é a participação da rede em uma audiência pública no Senado Federal sobre os projetos de lei mencionados. Além de contribuir para a aprovação de normativas compatíveis com a realidade das bibliotecas comunitárias, existe a expectativa de que a rede influencie na definição de um orçamento que viabilize a implementação das leis.

O Instituto C&A oferece apoio técnico e financeiro à Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias. No apoio técnico, além de Janine, a rede também conta com a consultoria de Adriano Guerra, especialista em redes. O aporte financeiro é de R$ 250 mil em 2016.

Partilhar