Plataforma de Filantropia no Brasil

Aprofundar parcerias e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) estão entre as principais propostas da Plataforma de Filantropia, criada em abril deste ano. O Brasil torna-se o oitavo país a lançar a plataforma, juntamente com Quênia, Gana, Zâmbia, Indonésia, Colômbia, Estados Unidos e Índia.

A inciativa é realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e conta com o apoio de várias organizações de investimento social do Brasil, incluindo o Instituto C&A. Tendo como base os 17 ODS, a plataforma reúne a filantropia empresarial em uma agenda única que busca o alinhamento das inciativas em prol do desenvolvimento social, ambiental e econômico.

“Apesar do lançamento recente, já é consenso que se articular em torno de uma agenda comum é um passo bastante importante para alcançar objetivos que tragam mudanças duradouras."

Cristiane Felix, especialista em desenvolvimento institucional e redes do Instituto C&A

“Apesar do lançamento recente, já é consenso que se articular em torno de uma agenda comum é um passo bastante importante para alcançar objetivos que tragam mudanças duradouras. É preciso discutir, mobilizar e propor meios de implementação para os ODS que possibilitem avanços nas diferentes dimensões que compõem essa agenda", avalia Cristiane Felix, especialista em desenvolvimento institucional e redes do Instituto C&A.

No dia 31 de maio, nossa especialista esteve na primeira oficina de trabalho do grupo, que abordou os ODS e a inovação no setor de filantropia brasileiro. O próximo encontro será no dia 28 de junho com o tema “Diálogo com o poder público para identificar oportunidades de parceria e melhorias de setores-chave".

Entre os resultados esperados do piloto no Brasil, destacam-se o mapeamento de iniciativas em andamento e temas ainda pouco cobertos; o compartilhamento de conhecimento e informações entre as organizações filantrópicas e os governos; análise de dados para entender onde e como os investimentos são direcionados; geração de oportunidades de coinvestimento e identificação de fluxos de financiamento inovadores. Em novembro deste ano, será lançada uma publicação sobre o setor de investimento social privado no Brasil, os ODS e os avanços nessa primeira fase da plataforma.