Defesa de direitos na indústria da moda no México

Partilhar

A parceria entre a organização Projeto de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (ProDESC) e o Instituto C&A, visa apoiar e capacitar as trabalhadoras da indústria da moda para que elas conheçam seus direitos e possam defendê-los de maneira efetiva. O projeto atua em seis estados do México e tem duração de dois anos. A metodologia do ProDESC prevê o fortalecimento de iniciativas que valorizam a coletividade e a amplificar das vozes de comunidades e coletivos. 

Em 2013, o ProDESC participou da criação da Coordenação Nacional de Defensoras dos Direitos Humanos no Trabalho (CNDDHL), que busca potencializar ações de organizações lideradas por mulheres que trabalham pela defesa de direitos no setor fabril, na agricultura e no trabalho doméstico. Entre os objetivos da CNDDHL para os próximos anos estão o fortalecimento da organização, a implementação de sua própria agenda política, e a criação de uma rede de apoio com outras organizações da sociedade civil para a promoção de iniciativas similares.  

O ProDESC coleciona um grande número de ações que buscam impactar positivamente a vida de trabalhadoras e trabalhadores. É o caso do Centro de Assistência, Assessoria e Atendimento ao Trabalhador Migrante, primeiro espaço no México destinado aos trabalhadores migrantes temporários. Outro exemplo é a implantação do programa RADAR, que contribui para a contratação de trabalhadores mexicanos migrantes temporários nos Estados Unidos.  

Em 2018, o ProDESC apoiou a publicação do primeiro documento em espanhol dedicado à defesa dos direitos humanos nas comunidades, além de auxiliar na abertura de mais espaços para que trabalhadores e organizações possam contar suas experiências, e se engajar coletivamente em pautas como justiça de gênero.  

Um dos programas que mais se beneficiou da parceria com o Instituto C&A foi a Escola de Justiça Transnacional. Este projeto, criado em 2016, do qual participaram os membros da CNDDHL, proporciona a troca de conhecimentos e experiências entre pessoas que trabalham com a defesa dos direitos humanos em suas comunidades. Desde 2016 a Escola já formou duas turmas e conta com o apoio de 30 especialistas. Juntos, eles proporcionam a base técnica necessária para potencializar os esforços nesse tema.  

Durante 2019 e 2020, a escola terá uma nova turma com trabalhadoras da indústria do vestuário do México, com o objetivo de analisar infrações dos direitos humanos que são realidade no setor e ter uma visão global sobre esse problema pelo qual são diretamente afetadas. 

Para complementar essas e outras ações, o ProDESC busca estabelecer uma série de parcerias estratégicas através de painéis de discussão, que possibilitarão que as organizações discutam e planejem ações coletivas de forma mais direta. Esta abordagem também servirá para desenvolver duas campanhas anuais visando promover o reconhecimento e o respeito aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras das fábricas.  

Através deste projeto, o Instituto C&A, a CNDDHL e o ProDESC visam o envolvimento direto das trabalhadoras na transformação da indústria da moda em um ambiente justo e sustentável, onde todos possam prosperar. 

Partilhar